ATIVIDADE REALIZADA EM 2014

MARCAS DO CÁRCERE EM MULHERES SENTENCIADAS NO REGIME PENAL DO DF: UMA EXPERIÊNCIA RESSOCIALIZADORA DIANTE DAS PRÁTICAS DE VIOLÊNCIA SIMBÓLICA E METAFORIZARÃO  DA CIDADANIA.  
Souza, J.n. - Estudante de Psicologia - UDF
FERNANDO, Luis - Professor de Psicologia Comunitária - UDF
PORTELA, Flavia Portela - UNB
ano 2014

RESUMO
Trata-se de uma experiência psicossocial em práticas integrativas e ressocialização na Penitenciária do DF. Composta por laboratório de artes cênicas: dinâmicas, sensibilização e exercícios de expressão criadora. Gregory, Foucault e Freire indicam a naturalização da violência simbólica e da metaforização da cidadania nas políticas públicas. O objetivo é oportunizar as vivências dos modos de sentir/pensar das detentas analisando uma experiência de reinserção social em EJA através de práticas de terapia comunitária. Destaca a escuta, o diálogo, a gestualidade e o corpo no processo de expressividade do feminino - percepções que compõem a diversidade, a leitura e fatores físico-emotivos decorrentes do sofrimento psíquico provocado pelo encarceramento. Enquanto fenômeno de saúde pública, as práticas integrativas na terapia comunitária refletem problemáticas contemporâneas presentes nas interações entre atendimento psicossocial e ressocialização: formação multirreferencial e intersetorial. Cada detenta é orientada a partir das diferentes modalidades do ‘ser feminino’. As turmas vão desde a problematização cênico-dramática de situações cotidianas comunitárias até os estigmas da inserção social – família, violência doméstica e justiça. Demonstra a expressividade do corpo no cárcere – modos de ser e estar de mulheres presas. Através da pesquisa participante realizou-se: vivências em aulas no presídio; estudos de gênero e processos histórico-culturais; modelo das políticas de reinserção das apenadas. Propõe experiência ressocializadora em práticas integrativas sobre a visibilidade do feminino no cárcere numa perspectiva de democratização do conhecimento acadêmico e científico - alcances psicossociais, intersetorialidade, autonomia e participação.

Palavras-chaves: gênero, ressocialização, violência simbólica, políticas públicas, educação nas prisões.



MARKS OF PRISONS IN SENTENCED WOMEN BY THE CRIMINAL SYSTEM IN BRASILIA: AN EXPERIENCE OF REHABILITATION ON THE PRACTICES OF SYMBOLIC VIOLENCE AND METAPHORIZATION CITIZENSHIP


ABSTRACT


It is a psychosocial experience in integrative practices and resocialization in Prison of Brasilia. Comprises performing arts lab: dynamics, awareness exercises and creative expression. Gregory, Foucault and Freire indicate naturalization of symbolic violence and metaphors of citizenship in public policy.
The goal is to create opportunities the experiences of ways of feeling / thinking of inmates experience analyzing social reintegration practices in adult education through community therapy. Emphasizes listening, dialogue, gesture and the body in the expressiveness of the feminine process - perceptions that make up the diversity, reading, physical and emotional factors from psychological distress caused by incarceration.
As a public health phenomenon, integrative practices in community therapy reflect contemporary issues in interactions between psychosocial care and rehabilitation: multifaceted and intersectoral training.
Each inmate is oriented from the different modes of 'being female'. Classes range from scenic-dramatic questioning of community everyday situations until the stigmata of social inclusion - family, domestic violence and justice.
Demonstrates the expressiveness of the body in prison - ways of being and being of women prisoners. Through participatory research took place: experiences in classes in the prison; gender studies, historical and cultural processes; model of political reintegration of apenadas.
Proposes an experience of rehabilitation in integrative practices on the visibility of women in prison from the perspective of democratization of academic and scientific knowledge - psychosocial ranges, intersectionality, autonomy and participation.

Keywords: gender, rehabilitation, symbolic violence, public policy, education in prisons.